domingo, abril 09, 2006

Diferenças entre Umbanda e Candomblé

Embora, eu aborde de forma generalizada a cultura mística afro-brasileira, convém referir que existem várias diferenças entre Umbanda e Candomblé.
Essas diferenças manifestam-se nos vários rituais praticados pelos seus servidores.
Existem grupos de Umbanda que assimilam mais elementos espíritas, dando origem á umbanda de mesa. A esse ritual dá-se o nome de "Mesa Branca". No entanto, predominam os rituais semelhantes aos do Candomblé. Essa predominância varia de terreiro, dependendo da doutrina de cada Pai ou Mãe de Santo; quando essa predominância é muito grande, é conhecida por "Umbandomblé".
Apesar de alguns rituais e entidades serem o mesmo do Candomblé, existem ainda algumas particularidades que diferenciam a Umbanda do Candomblé. Por exemplo, os Orixás no Candomblé não se comunicam directamente com as pessoas que estão a assistir. Para que a assistência possa saber alguma coisa para melhorar a sua vida, precisa falar com o Babalorixá que consultará os búzios; só assim os orixás poderão orientar as pessoas sobre os seus problemas.
Na Umbanda, as pessoas podem consultar as entidades directamente, sem precisar do jogo de búzios, uma vez que as entidades podem utilizar o corpo do médium para comunicar. Esta consulta só pode ser feita nos dias de trabalhos. Os novos médiuns praticam e aperfeiçoam-se na comunicação com o Orixá e as entidades.
Ainda se pode dizer que na Umbanda os orixás maiores ou santos(Iemanjá,Oxóssi,Xangô,Ogum,Oxum,Iansã,etc.) não falam;quando eles "descem" ao terreiro, só a sua presença já é uma benção. Os santos não falam para que as pessoas possam entender. Eles já transcenderam da Terra há inúmeros anos e adquiriram muita luz, portanto aqui na Terra o máximo que fazem é imitir sons (ou mantras) como por exemplo o canto de Iemanjá que, para uns pode ser um canto e para outros um choro.
As consultas ficam sempre por conta das entidades de cada linha, como por exemplo:os baianos"Pretos Velhos", boiadeiros,marinheiros,crianças,etc., que por estarem mais próximos da nossa realidade(pois desencarnaram há apenas algumas décadas-como no caso dos"Pretos Velhos"), podem ajudar-nos a resolver todos os problemas terrenos.
Outra característica marcante é o "congar" de um terreiro de Umbanda que tem, lado a lado, imagens de santos e imagens de entidades(marinheiros,caboclos,"Pretos Velhos", crianças,etc.) e também pode ter outras imagens como as de Santa Luzia, Santo Agostinho, Santo Expedito, Santo António, etc.
Em terreiros de3 Candomblé cada Orixá tem o seu lugar como por exemplo um quartinho, onde ficam os objectos do Orixá.
Outra diferença básica é como os médiuns se preparam para incorporar, ao contrário do Candomblé, cujos seguidores dançam em círculo em movimento, rodopiando os seus corpos ao som dosa atabaques e outros instrumentos; na Umbanda o médium fica parado num círculo(corrente),acompanhado acompanhando com palmas os pontos cantados e esperando o momento exacto para a incorporação dos Orixás ou das entidades.
A música também é bem diferente, uma vez que no Candomblé depende do país a que pertence.
Já na Umbanda os cânticos são todos entoados em português.
As roupas são em geral brancas e o uso das cores fica reservado para os Pais e Mães de Santo em dias de festa e homenagens no terreiro.
As roupas pretas e vermelhas são usadas em dia de Gira de Exu, também reservado apenas ao direito do médium de incorporação e Pais e Mães de Santo, os outros médiuns(novatos,ogans,cambones,etc.) devem usar somente roupas brancas,ou uma fita vermelha presa na cintura.
Os assistentes devem sempre ir a um terreiro com roupas claras vestidas, deixando as escuras para as giras de Exus;ainda assim muitos terreiros orientam os frequentadores a usar a roupa branca; na Umbanda, o branco significa a proximidade com a clareza, paz de espiríto e abrtura do seu corpo para as coisas boas(uma vez que preto significa luto-corpo fechado).Se a pessoa quer receber uma graça, ela deve estar receptiva para que isso aconteça. Cada Orixá vibra com uma cor.Por exemplo, Oxossi vibra com verde, assim como Iansã vibra com a cor amarela, sendo indiscutivelmente o branco (Oxalá) aceite por qualquer linha

sexta-feira, abril 07, 2006

Umbanda e Candomblé

O Candomblé teve a sua origem entre os séculos XVI e XIX a partir da chegada ao Brasil dos escravos oriundos da África Ocidental. Considerados como feiticeiros, eram sistematicamente perseguidos. No entanto, para sobreviverem a estas perseguições, os adeptos desta religião decidiram associar os Orixás aos Santos Católicos. Um exemplo desta unificação manifesta-se por Iemanjá estar associada a Nossa Senhora da Conceição, Iansã a Santa Bárbara, etc.
As cerimónias de Candomblé ocorrem em templos que adoptaram o nome de "territórios" ou "terreiros". As celebrações são feitas em língua Africana e acompanhadas de cantos e ritmos de atabaques(tambores), os quais vão variando de acordo com o Orixá que vai ser homenageado.
Nesta altura, são cultuados no Brasil cerca de 16 Orixás dos cerca de 300 existentes na África Ocidental.
A Umbanda é uma religião composta por elementos divinos, os Orixás e os Guias.Estes elementos são variáveis e podem ser vistos com maior ou menor intensidade e de acordo com a linha de doutrina.É portanto uma religião fundamentada num cunho espiritualista, devido ao contacto e interferência de espíritos, manipulações mágicas, práticas de cura através de espíritos, mas também de ervas, poções, conjuros e utilização de elementos ou instrumentos místicos.
A Umbanda consiste num enorme universo povoado de entidades espirituais(os guias), que entram em contacto com os homens através de um iniciado(o médium) que os incorpora.
Foi exactamente nas comemorações efectuadas dentro das senzalas que eles começaram a incorporar espíritos ou guias identificando-se através de figuras como o Caboclo, o Preto Velho ou a Pomba-Gira e, assim foram guiando os seus"cavalos" e a Umbanda foi adquirindo uma forma, conteúdo e características próprias diferenciando-a da chamada"Umbanda Rudimentar" ou Macumba.
Eram reconhecidos como sendo espíritos ancestrais, ou seja de antigos Babalaôs, Babalorixás, Yalorixás e também Pais e Mães de Senzala. Os escravos mais velhos eram considerados os conselheiros devido á sua sabedoria relativamente ás artes antigas da religião Africana.
Também o espiritismo Kardecista manifestou-se como sendo outra das suas influências, pois acreditavam na possibilidade do contacto entre os vivos e os mortos e na evolução espiritual após sucessivas vidas na Terra.
Incorporando também ritos indígenas e práticas mágicas europeias, o seu culto é feito nos Terreiros e dividido em sessões, normalmente de desenvolvimento e de consulta.

quinta-feira, março 30, 2006

QUEM SOU EU

Chamo-me Patrícia , sou portuguesa e moro em Lisboa. Tenho o dom da vidência e só me sinto feliz quando posso ajudar quem me rodeia e quem me procura.
A minha filosofia é fazer o bem.
A minha linha de trabalho segue a Umbanda. Os Orixás são os meus guias espirituais .
Estes, através de mim, têem transformado o percurso de muitas pessoas, proporcionando-lhes tranquilidade, equilíbrio e um novo sentido para a vida.
Utilizo, para realizar premonições, o Tarot Cigano. As cartas são o meio de transmissão entre os Orixás e as pessoas que me procuram.
Através do Tarot estabeleço a ligação entre os factos passados e os que hão-de vir, ajudando na tomada de decisões .
Assim como um músico só é feliz se tocar , só me sinto bem se colocar o meu dom ao serviço dos outros.
Muito Axé